Quanto custa ter um filho?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Escrever um livro, plantar uma árvore, ter um filho: a sabedoria antiga diz que essas três coisas são essenciais para qualquer ser humano. De fato, deixar um legado e uma marca no mundo é muito importante. Mas quanto custa ter um filho?

É importante saber sobre esse custo e dicas para se planejar para um dos melhores momentos da sua vida.

Ter um filho é uma experiência única e é o sonho de vida de muitas pessoas. Justamente por conta disso, há uma série de fatores que devem ser considerados, além do financeiro, na hora de pensar em trazer uma criança ao mundo.

Papais e mamães afirmam: ter um filho não é fácil. Dar suporte, carinho, amor, educação e garantir as necessidades básicas de um novo ser humano pode ser mais difícil – e caro – do que parece. Nem todos param para pensar em quanto custa ter um filho, e acabam sendo pegos de surpresa com gastos que nem imaginavam que poderia existir.

Mas isso não é motivo para se desesperar e desistir do seu sonho de ser mãe ou pai! Conhecer os futuros gastos e ter um bom planejamento pode ajudar (e muito!) a garantir um pouco mais de tranquilidade durante a gestação e os primeiros anos de vida da criança.

Então, se você pretende ter um filho, prepare-se para as maiores mudanças da sua vida. Confira nossas dicas que vão ajudar a criar seu bebê com muito mais tranquilidade financeira até o segundo ano de vida.

Mas, quanto custa ter um filho?

O custo total para cuidar de um filho, desde a gestação até a idade adulta, pode atingir valores muito altos. Mas isso tudo sempre dependerá da renda da família, o padrão de vida que os pais querem manter e, é claro, suas prioridades financeiras.

De acordo com uma pesquisa do Instituto Nacional de Vendas e Trade Marketing (Invent), o custo de criação de um filho até os 23 anos pode chegar a até R$ 2 milhões. Esse número é válido para famílias de classe alta e com alto padrão de vida.

Antes de se desesperar, achando que é preciso desembolsar valores extravagantes como o acima para criar seu filho, lembre-se que é possível criá-lo dentro das suas condições – seja tendo R$ 10 ou R$ 10 milhões na conta bancária.

O mais importante é ter planejamento financeiro e disciplina. Esses dois fatores garantirão que você tenha visibilidade de onde seu dinheiro está sendo utilizado, além de te dar mais segurança na hora de fazer os investimentos corretos.

Quando devo começar a me planejar?

Quanto custa ter um filho? O iFraldas te ajuda

É importante lembrar que o planejamento e a economia de despesas devem começar muito antes da gestação. Grandes investimentos dificilmente são feitos de um dia para o outro. Por isso, é importante se planejar com antecedência.

Qualquer aplicação ou investimento crescerá de maneira gradual e, por isso, a programação financeira se torna essencial. Por isso, já é importante ir guardando um dinheiro quando você e seu par começarem a pensar em engravidar.

Busque investimentos interessantes e que caibam no seu bolso, como a previdência privada. Em médio prazo, você pode conseguir um bom pé de meia para cuidar da criança que virá ao mundo.

O ideal é que o nascimento do bebê seja planejado. Isso vai trazer mais tranquilidade para o núcleo familiar e dará um prazo para as suas economias crescerem.

Durante os preparativos, existem alguns pontos a serem resolvidos, como reparos na casa e quitação de dívidas pendentes.

Além disso, considere como será o tempo que os pais se ausentarão do trabalho. É importante entender se o período de licença será remunerado. Em caso negativo, é importante saber de onde virá a renda familiar durante este período. As mudanças de hábito devem ser consideradas.

Higiene, enxoval e roupinhas…

Se tem uma coisa que bebês usam bastante são fraldas. Estima-se que, durante os dois primeiros anos de vida, uma criança tenha que utilizar mais de 4 mil fraldas descartáveis! Esse e outros gastos de higiene podem chegar a valores altos quando se trata de quanto custa ter um filho.

Por isso, é interessante aproveitar os momentos de confraternização e contar com a ajuda de família e amigos para montar o estoque de fraldas, lenços umedecidos, talcos e muito mais.

Não tenha vergonha de organizar um chá de bebê colaborativo e pedir que quem puder, que ajude dando fraldas para comemorar a chegada do novo bebê.

Bebês também usam muitas roupinhas – como crescem muito rápido, é normal que um macacão que servia nesta semana não caiba na próxima.

Como são pouco utilizadas, é interessante pensar em aproveitar bazares ou trocas com amigos que têm filhos ao invés de comprar roupas novas. Isso pode trazer uma economia considerável de dinheiro.

Saúde e alimentação

Um bom plano de saúde pode ajudar na economia, já que gestantes e recém-nascidos precisam realizar consultas periódicas a ginecologistas, obstetras e pediatras. Nos primeiros dias de vida, a conta do hospital também pode pesar por conta de todos os exames que a criança precisará fazer.

O cuidado com a alimentação também é muito importante e deve ser colocado na conta quando você pensar em quanto custa ter um filho.

Nos primeiros seis meses, o ideal é que o bebê seja amamentado exclusivamente, e isso é de graça! No entanto, ele pode precisar de fórmulas que custam bastante dinheiro até o momento certo de fazer a introdução alimentar.

Quando isso acontecer, invista seu tempo na preparação de comidinhas gostosas e variadas. Além de ser mais saboroso e saudável que papinhas industrializadas, por exemplo, uma ida à feira planejada pesa menos no bolso que uma compra de papinhas prontas no supermercado.

Educação

A educação é essencial na criação de qualquer criança. Os três primeiros anos de vida representam o período de maior evolução e, por isso, a criança deve ser estimulada e ter atenção redobrada. Por isso, é importante que os pais acompanhem essa fase com muito carinho e cuidado.

Na maioria das vezes, é preciso que os pais voltem ao trabalho e, por isso, o bebê precise ficar em uma creche. Estude as opções de creche ou escolinha que estão de acordo com a vontade dos pais e veja se é possível encaixar esse investimento no orçamento.

As privadas podem variar de R$ 200 a R$ 5 mil, mas não se esqueça de considerar instituições públicas. Existe uma série de creches públicas que são modelo para outras escolas e pode valer a pena entrar na fila de espera para que seu filho estude em um local de confiança.

Agora que você tem uma ideia de quanto custa ter um filho, lembre-se que há coisas que valem mais do que dinheiro. O amor, as alegrias e os aprendizados de criar uma criança são incalculáveis. Com planejamento e organização, dá para ter um filho com mais tranquilidade!

O que achou das nossas dicas? Veja muitas outras em nosso Blog e deixe nos comentários a sua opinião!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Tarifas e prazos

Tarifas

No intuito de prestar o melhor serviço para nossos clientes com alta tecnologia e segurança, o iFraldas retém um percentual de 7,99% sobre o valor das fraldas virtuais recebidas. Além disso, se o seu convidado efetuar o pagamento por meio de cartão de crédito, o Pagar.me (intermediadora de pagamento) cobra um percentual de 3,99%, ou, no caso de boleto bancário o valor de R$ 3,80 por boleto pago.

Quando da solicitação do resgate, informamos que não é cobrada taxa para a transferência. No entanto, a partir do segundo resgate, caso ocorra, será cobrada a taxa de 7,90 reais por transferência.

Prazos

O prazo para resgate das transações realizadas por boleto bancário é de 3 dias úteis. O prazo para resgate no caso de transações realizadas por meio de cartão de crédito é de 33 dias corridos. Em ambos os casos, o prazo para o iFraldas realizar a transferência dos valores é de 3 dias úteis, a partir da data de solicitação.