Gravidez na pandemia: o que fazer?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

A pandemia causada pelo novo coronavírus pegou todo mundo de surpresa e atrasou os planos de muita gente. Neste artigos falamos sobre os sonhos de quem quer aumentar a família, que também foram prejudicados.

Gravidez na pandemia: seguir com os planos ou esperar?

Muitas mulheres tem se perguntado se é uma boa ideia engravidar durante a pandemia ou se devem adiar um pouco a gravidez.

Para os especialistas, as respostas para essa questão ainda são incertas. Por ser um vírus novo, é preciso ter cuidado já que não sabemos com clareza os impactos dele no corpo humano, especialmente no caso das mulheres grávidas.

Gravidez na Pandemia: Quais são os Riscos?

Até a data deste post, não temos indícios de que, no caso de gravidez na pandemia, o vírus aumente o risco de morte da gestante. Isto acontecia nos casos de H1N1 ou como nos casos de Zika, que acontecia a má formação no bebê.

Apesar disso, contrair a Covid-19 no último trimestre da gravidez, assim como com qualquer outra infecção mais séria, pode aumentar as chances de um parto prematuro.

Também é preciso olhar para as condições que a futura grávida precisará se submeter. Uma vez que a gravidez é um momento que exige um cuidado redobrado com o acompanhamento da saúde tanto da mãe, quanto do bebê.

Faz parte do pré-natal a realização de diversos exames e consultas médicas periódicas. Isso acarretará idas a clínicas e hospitais, que independente de serem da rede pública ou privada de saúde, podem estar superlotados com pacientes de Covid.

Além disso, existe ainda a questão emocional que não pode ser desconsiderada.

Numa gravidez na pandemia, é natural o aparecimento de sintomas de ansiedade e até depressão. O que pode acabar agravando ainda mais a sensação de insegurança e dúvidas que o período gera.

Por todas essas razões, o Ministério da Saúde passou a considerar mulheres grávidas e puérperas como integrantes do grupo de risco para a Covid-19.

Engravidei na Pandemia. E agora?

Engravidei na Pandemia. E agora?
A gravidez na pandemia, requer cuidados especiais.

Para as mulheres que já estão grávidas, é o momento de intensificar o isolamento social e as medidas de segurança e combate ao vírus.

Além disso, o momento é onde todos estão em casa e o estilo de vida tornou-se mais sedentário.

A recomendação dos médicos é que as gestantes façam atividades físicas leves, mas regulares. Assim, problemas como trombose e diabetes gestacional são prevenidos facilmente.

Também é importante relembrar que ainda não existem indícios de que mulheres grávidas tenham um agravamento da doença em casos de Covid. Assim como não foi provado ainda que o vírus possa ser transmitido para o bebê durante a gestação.

Ainda assim, é preciso ter cautela e estar sempre em contato com o seu obstetra para tirar quaisquer dúvidas.

Gravidez na Pandemia: Reprodução Assistida

Em abril de 2020, a Anvisa emitiu uma nota técnica recomendando suspender a gravidez na pandemia através de procedimentos de reprodução assistida até que a doença esteja controlada.

A medida foi feita levando em conta a preservação da saúde das mulheres, diminuindo o risco de contágio pelo novo coronavírus durante o tratamento.

Vale lembrar que as regras da Anvisa valem para mulheres que querem iniciar os tratamentos de reprodução assistida.

Para mulheres que já deram início e estão nesse processo, a recomendação é manter-se em contato com a sua equipe médica e continuar o tratamento. Possivelmente será realizado um congelamento de óvulos e embriões para aguardar o melhor momento para prosseguir.

Apesar de ser contra indicado dar início a tratamentos para engravidar durante o período da pandemia, existem exceções.

Por exemplo, mulheres que tem câncer, baixa reserva ovariana ou de idade igual ou maior a 35 anos. Nestes casos devem avaliar, juntamente com os médicos responsáveis, as condições de segurança para continuar o tratamento.

O que fazer enquanto a gravidez não vem?

Ter que adiar planos de gravidez por conta da pandemia pode ser visto como uma grande frustração para muitas mulheres.

Além do momento delicado em que vivemos, é normal que essa decisão gere uma grande carga de incerteza e ansiedade.

Este é o momento ideal, portanto, de investir em cuidados pré-concepcionais, ou seja, atividades que podem aumentar as suas chances de engravidar e ter uma gestação mais saudável. Entre elas estão:

  • Controle do peso
  • Atividade física regular
  • Mudanças na dieta
  • Interrupção de hábitos prejudiciais, como tabagismo
  • Práticas que auxiliem o autoconhecimento e o cuidado com a saúde mental, como terapia e meditação

Se você está grávida ou tentando engravidar durante esta pandemia, comenta aqui embaixo como está se sentindo e como tem sido lidar com tudo isso. Veja também nossos outros artigos sobre gravidez e maternidade em nosso blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Tarifas e prazos

Tarifas

No intuito de prestar o melhor serviço para nossos clientes com alta tecnologia e segurança, o iFraldas retém um percentual de 7,99% sobre o valor das fraldas virtuais recebidas. Além disso, se o seu convidado efetuar o pagamento por meio de cartão de crédito, o Pagar.me (intermediadora de pagamento) cobra um percentual de 3,99%, ou, no caso de boleto bancário o valor de R$ 3,80 por boleto pago.

Quando da solicitação do resgate, informamos que não é cobrada taxa para a transferência. No entanto, a partir do segundo resgate, caso ocorra, será cobrada a taxa de 7,90 reais por transferência.

Prazos

O prazo para resgate das transações realizadas por boleto bancário é de 3 dias úteis. O prazo para resgate no caso de transações realizadas por meio de cartão de crédito é de 33 dias corridos. Em ambos os casos, o prazo para o iFraldas realizar a transferência dos valores é de 3 dias úteis, a partir da data de solicitação.